“MENINA, MARINA”

Marina, por si só basta…

Canto que encanta,

olhar perverso, maroto, meigo e infantil…

Menina atirada, amada, delicada e moleca…

Bem a frente do seu tempo,

guarda a saudade dos que foram…

Sofre como tantos outros(as), mas é forte,

mostra no pixaim que não vai ser o cárcere do negreiro que vai quebrar a espinha…

Menina linda que muitos desejam…

Menina linda que se faz forte…

Mulher amazona, guerreira…

Me orgulho de pessoas que são assim…

Sempre adiante de seu tempo…

Inércia é morte, ousadia é viver…

Te gosto de coração!!!

Nelson “Floripa” é o autor deste poema. Me enviou por e-mail em 14 de setembro de 2003.