Marina Lima por Nelson Motta

Marina surgiu no universo musical brasileiro na virada dos anos 80, como precursora do nosso melhor pop; irmã mais nova e prima distante da rapaziada do rock, ela trouxe para a música brasileira sua sonoridade sofisticada, baseada no Rhytnm and Blues e nas harmonias elaboradas, mas que também enchia as pistas de dança com seu balanço irresistível.

Marina, quando era menina, morou nos Estados Unidos, onde descobriu a música da Motown e os Beatles, muito antes da música brasileira, que só adolescente ela começou a conhecer na sua volta ao Brasil.

Quando voltou, decidida a fazer uma carreira artística, Marina começou a dar forma a seu pop brasileiro com sotaque blueseiro e elegante harmonia de bossa nova, além de grandes letras de seu irmão Antonio Cícero, é claro.

Com sua voz quente e empunhando uma guitarra, que a diferenciava das outras intérpretes na MPB acústica, Marina não demorou a tomar conta das rádios e palcos do Brasil.

Sua estréia no Teatro Ipanema teve a platéia lotada de estrelas.

Sua gravação de “Me Chama”, do Lobão, tornou a canção um grande sucesso popular, além de um hino romântico de uma geração e uma das gravações mais importantes da década.

Uma das que mais marcaram os anos 80, e que estabeleceu um padrão pro pop brasileiro.

Ela foi uma das primeiras cantoras a forjar uma cara mais pop pra música brasileira, que tinha virado os anos 70 dominada por uma atitude mais cabeça e mais politizada. Enquanto o país mudava rapidamente, se liberava e se tornava mais pop.

A carreira de Marina, desde o início, foi feita de muito prestígio, e às vezes de grande popularidade, criando hits imortais como “Fullgás”, obras-primas como “O Lado Quente do Ser” e se tornando respeitada por seu vigor artístico, seu bom gosto e sua fidelidade a seu valores musicais.

Navegando em vários mares, freqüentando diversas praias, sem se enquadrar em nenhuma tribo, Marina é única.

Uma das mais imitadas por novas cantoras, e que está em permanente movimento.

Por mais que incorpore influências tão distintas como a Dance Music e a Bossa Nova, Marina sempre imprime forte personalidade em todas as canções, com seu estilo, sua independência e seu jeito inconfundível de fazer pop brasileiro.

Texto de Nelson Motta, escrito para a introdução do programa “Por Trás da Fama”, exibido no Multishow (NET/SKY) em 25 de Julho de 2001.

Anúncios