CDs Singles

EU VI O REI (1994)

Marina Lima e Antonio Cícero

1 – Radio House Mix / 2 – Meme’s in the House 12″ / 3 – Original Version

Eu vi o rei chegar… / Um rei assim / Que não escuta bem / Que adora a luz / Mas não vê ninguém / Prefere olhar / O horizonte, o céu / Longe daqui é tudo seu / Eu vi o rei chegar… / Seu sangue azul / Ninguém diz de onde vem / De que sertão / De que mar, que além / E para nós / Ele jamais se abriu / Só uma vez / Quando partiu / Eu vi o rei chegar… / Um rei assim / Cultiva a solidão / Sombria flor / No coração / E claro é / Que o pêndulo do amor / Às vezes vai / Até a dor / Eu vi o rei chegar… / Devo dizer / Que eu não sofri demais / Mas devo dizer / Que eu acordei / Mesmo sem ser / Tudo que eu imaginei / Devo dizer / Que eu o amei / Eu vi o rei chegar…

ADMITO QUE PERDI (1995)

Paulinho Moska

Se você não suporta mais tanta realidade / Se tudo tanto faz, nada tem finalidade / Então pra que viver comigo? / Eu não vou ficar pra ver a nossa ponte incendiada / Nossa igreja destruída, nossa estrada rachada / Pela grande explosão que pode acontecer no nosso abrigo / Olhei pro amanhã e não gostei do que vi / Sonhos são como deuses: / Quando não se acredita neles, deixam de existir / Lutei por sua alma mas admito que perdi… / E agora vou me perder nesse planeta conhecido / Intuir novos mistérios, descobrir outros sentidos / Pr’aquelas palavras marcadas na carta de adeus / Meu corpo vai sobreviver mesmo estando ferido / E até na hora de morrer eu não vou me dar por vencido / Porque sei que meus perdões vão estar bem ao lado dos teus / Olhei pro amanhã e não gostei do que vi / Sonhos são como deuses: / Quando não se acredita neles, deixam de existir / Jurei por sua alma mas… / Perdi

NEM LUXO, NEM LIXO (1995)

Rita Lee e Roberto de Carvalho

Mas como vai você / Assim como eu / Uma pessoa comum / Mais um filho de Deus / Nessa canoa furada / Remando contra a maré / Não acredito em nada, não / Só não duvido da fé / Não quero luxo, nem lixo / Meu sonho é ser imortal / Não quero luxo, nem lixo / Quero gozar no final… / Não quero luxo, não quero lixo / Meu sonho é ser imortal, meu amor / Não quero luxo, não quero lixo / Quero gozar no final…

LINHAS TORTAS (1995)

Christiaan Oyens

Nas lágrimas que me fecham portas / O amor que escreve certo em linhas tortas / Sombras no crepúsculo / Céus de porcelana na sua voz / Sentimentos amplos com varanda / Pro interior / Sonho de veludo, pára-quedas / Vem me acordar / Luz neon da sua vaidade / Lua minguante sem parar / Cansei / De ter que ler, amor, nas entrelinhas / Não sei / Mas vou pensar / Abalone de indefinidas cores / Na manhã / Pétalas e espinhos ferem / Borboletas com o mesmo afã / Cansei / De ter que ler, amor, nas entrelinhas / Não sei / Mas vou pensar… / Corre amor / Que vai chover / Nas lágrimas que me fecham portas / O amor que escreve certo em linhas tortas / Sinos que desdobram / Lírios enjaulados num buquê / Velas que derretem / Igrejas de açúcar cantam parabéns / Cansei / De ter que ler, amor, nas entrelinhas / Não sei / Mas vou pensar…

BEIJA-FLOR (1995)

Xexéu e Zé Raimundo

MEL DA SUA BOCA [Incidental]

Carlos Conceição e Rubinho

Como é doce o beijo quando vem da sua boca / Dá uma vontade de levar você comigo / Eu fui embora, meu amor chorou… / Vou voltar / Eu vou nas asas de um passarinho / Eu vou nos beijos de um beija-flor… / No tic tic tac do meu coração, renascerá… / Timbalada é semente de um novo dia / Nordeste sofrimento povo lutador / Entre mares e montanhas com você eu vou  / Yo quiero te namorar, amor / Te namorar, amor… / Teu lábio é tão doce, doce feito mel / Toda azul sua beleza feita cor do céu / Quero me aquecer sentir o seu calor / Rolar pra lá na cama, te chamar de amor / Fazer mil poesias pra te conquistar / Deixá-la simplesmente coberta de flor / Quero me aquecer sentir o seu sabor / Amor, é só me chamar que eu vou / Só me chamar / Me chama que eu vou / Só me chamar que eu vou / Só me chamar / Me chama que eu vou / Estou sentindo a falta de você / Sonhando com seus beijos espero amanhecer / Tu levas as palavras soltas pelos ar / Yo quiero te namorar, amor / Te namorar, amor… / No tic tic tac do meu coração, renascerá…

À MEIA-VOZ (1996)

Marina Lima e Antonio Cícero

Me diz o que é que foi, / Pra você se magoar assim / Confessa aqui pra mim / Me diz onde é que dói / Será que ainda vou ser / Seu ninho de prazer? / Melhor pagar pra ver… / Me diz o que é que eu fiz / Pra te fazer infeliz assim / Soletra aqui pra mim / Me diz à meia-voz / Prometo não contar / Promessas não dão mais… / Confessa e sela a paz / Meu bem não lhe darei / Um céu sem dor nem lei / Mas aceite esta canção / Que fiz pra te alegrar / Debaixo desse véu / Assim à meia-luz / Só há você e eu… / Me diz onde é que / Dói.

1. ESTOU ASSIM (2000)

Marina Lima

Estou assim / Como o mar que não chega na areia / Estou assim / Com esse sangue estancado na veia / Até você me ligar / Estou assim / Como um mês que não passa do meio / Tão assim / Esperando esse amor que já veio / Até você se tocar / Fivelas, cremes, incensos / São tantos produtos / Tantas preocupações / E esses labirintos do meu coração / Mas eu sei que quero, amor / E o que você disser será aceito / Estou assim / Um talento por pouco perdido / Quase assim / Como um som que não quer ser ouvido / Até você me amar / Estou assim / Com esse cisco caído no olho / Tão assim / Uma lata vazia de molho / Até você me cansar / Cigarros, aspirinas, restos de perfume no frasco / Tantas saudades / Tantas indagações / Nesses labirintos do meu coração / Mas eu sei que quero amor / E o que você disser será aceito  / Uma lata vazia de molho… / Esse cisco caído no olho…

2. SÍSSI (2000)

Marina Lima e Fernanda Young

Sair pra ter / O que ver / Sem nem pensar / Dançar, mexer / Olhar, comer / Sem ter que ficar / E a noite / Faz-se dia / No meu coração / Sorrir e crer / Que alguém / Alguém vá saber / Como voa o chão / Nada a temer / Chorar, perder / Chances nascerão / E a noite / Faz-se dia / No meu coração… / E a noite / Faz-se dia (como um clarão) / No meu coração… / E a noite / Faz-se dia (como um refrão) / No meu coração…

NO ESCURO (2001)

Marina Lima e Antonio Cícero

Se você não me quiser / Eu vou respeitar / Eu juro / Como alguém que apaga a luz / Mas tem seu altar / No escuro / E no decorrer dos meses / Já não sei mais nem quem sou / E a pessoa / Refletida / No espelho / Dos seus olhos / Por onde foi que entrou? / E se você não me quiser / Eu vou respeitar, eu vou / Vou no duro / Mas saiba que sou um homem só / E que o meu amor / É puro / E a pessoa / Refletida / No espelho / Dos seus olhos / Por onde foi que entrou? / E se você não me quiser / Eu vou respeitar, eu vou / Isso é seguro / Mas um dia foi você / Que soube apontar / Um futuro pra nós / O meu amor é puro / É tudo pra nós…

NOTÍCIAS (2002)

Marina Lima, Dalto e Cláudio Rabello

1 – Slow Disc Version  / 2 – A Domestic House Mix / 3 – Edited Slow-House Version / 4 – Romantic Radio Version

Só você pode me incendiar / Pode ascender a luz /  Pode me ver chorar / Só você me faz tremer assim / Me mata de prazer / Sem encostar em mim  / Me dê notícias desse amor / E o que ele faz pra não morrer / Se fica comigo até sempre / Sempre… / Ou se deixa o barco correr / Só você / Só você pôde me machucar / Soube me engolir / Pôde me dominar / Só você pra me trazer a paz / Eu que torci por ti / Eu que sofri por nós / Quanto mais velho o tempo é / Mais se cansa de esperar / Volta a ser só dos meus braços / E ouça o que eu não vou falar.

SUGAR (2003)

Marina Lima e Alvin L.

Participação especial de Alvin L.

Quando a tarde cai, penso em você / E nos caminhos que hão de vir / Céu estrada aberta pro mar sugar / Só começar / Tarde da noite nunca é tarde demais para imaginar você aqui / Só um beijo pode acalmar sugar / Suas dúvidas / E a vida pode ser feliz / Mesmo por instantes / Mesmo por um triz / “Eu quero sal o doce, o céu de surpresas pelo ar / Eu quero azul amor e tarde mas nunca vá falhar / Ser um rio infinito nascer de novo em seu olhar / Provar o vento deitar ao sol e me apaixonar” / E me apaixonar / Céu estrada aberta pro mar sugar / É só você deixar / E a vida pode ser feliz / Mesmo por instantes / Mesmo por um triz… / E a vida pode ser / Feliz.

FULLGÁS (2003)

Marina Lima e Antonio Cícero

Participação especial de Liminha

Meu mundo você é quem faz / Música, letra e dança / Tudo em você é fullgás / Tudo você é quem lança / Lança mais e mais / Só vou te contar um segredo / Não, nada / Nada de mal nos alcança / Pois tendo você, meu brinquedo / Nada machuca, nem cansa / Então, venha me dizer / O que será / Da minha vida / Sem você? / Noites de frio / Dia não há / E um mundo estranho / Pra me segurar / Então, onde quer que você vá / É lá, que eu vou estar / Amor esperto / Tão bom te amar / E tudo de lindo que eu faço / Vem com você, vem feliz / Você me abre seus braços / E a gente faz um país / Você me abre seus braços / E a gente faz um país…