1990

10 de Janeiro. (Jornal Diário do Nordeste) “Marina, próxima parada” – A cantora Marina tem Fortaleza como próxima parada. Ela se apresenta hoje à noite no Espaço Cultural Estação Fortaleza, ainda dentro da programação de férias, e daqui parte para uma série de shows pelo País divulgando seu último trabalho: o álbum “Próxima Parada”. De Fortaleza vai para Belém, Natal e o resto do Norte, desce para o Rio, faz alguns shows no Sul, descansa durante o carnaval e logo depois retorna o curso de um ano cheio, mas que pode terminar com merecidas ‘férias’ nos EUA. Marina chegou ao ‘ponto de partida’ disso tudo  com antecedência. Dois dias antes do show. Estava disposta e inspirada, principalmente depois de ano e meio parada, inclusive sem gravar – período de entressafra e introspecção. “Hoje posso me dar ao luxo de lançar discos e fazer shows quando tenho o que dizer”, confessa antes de começar a falar sobre o show – “simples e bom de fazer” – o novo disco, a popularidade e a possibilidade de parar para estudar novamente. (autor desconhecido)

“Não sou uma pessoa gananciosa. Sou ambiciosa. Meu intuito é conseguir fazer com que as pessoas gostem do que realmente eu gosto.” (Marina)

18 de Janeiro. (Jornal do Brasil) “Beira do mar” – Marina provoca maremoto no Ceará: cinco mil pessoas lotaram o Projeto Férias do Estação Fortaleza na estréia da excursão praieira e veranista da cantora pelo Brasil litoral. No roteiro estão ainda de Recife a Camboriú. Só em abril o tour de lançamento do novo disco chega ao Palace paulista e em maio ao Canecão, de Botafogo. (por Tárik de Souza)

21 de Fevereiro. (Revista Amiga) Marina recebe os amigos e alguns diretores da Polygram, no restaurante Kotobuki (Rio), para a festa de entrega do Disco de Ouro pelas mais de 100 mil cópias vendidas do disco “Próxima Parada”. Tim Roony, o diretor da gravadora, é quem faz a entrega pessoalmente. (autor desconhecido)

5 de Março. (Jornal do Brasil/Domingo) Os leitores do ‘Jornal do Brasil’ elegem os melhores músicos de 89, no “5o Diretas na Música”. A cantora Marina conquista, pela quarta vez seguida, o título de “melhor cantora”, com 575 votos. Com 107 votos, como “revelação feminina”, ficou em  terceiro  lugar.  E  na  categoria  “melhor  canção”, com 80 votos, figurou a lista em quarto lugar com a música “À Francesa”. (autor desconhecido)

5 de Abril. (Jornal do Brasil) “Marina troca de gravadora” – Nem tudo está perdido no fragilizado panorama cultural brasileiro. A primeira injeção de ânimo partiu da indústria fonográfica: a gravadora inglesa EMI-Odeon não se intimidou com as mudanças econômicas e, numa decisão rápida e surpreendente, fechou contrato na terça-feira (3) com a cantora Marina, dando um voto de confiança ao novo governo. Marina (com os diretores Jean François Cecilon, de Londres, Mario Ruiz, de Miami, e Charles Andrews, presidente da gravadora para toda a América Latima) assinou um contrato milionário para fazer três discos, mas sua estréia na nova gravadora será apenas no ano que vem, porque ainda deve um disco à Polygram. O sinal para a contratação das cantora, em negociações com a EMI há seis meses, partiu da matriz, reafirmando sua estratégia de investir no Brasil, apostando numa rápida recuperação do mercado. (autor desconhecido)

11 de Julho. Morre Cazuza.

15 de Agosto. Marina é a única indicada na categoria Pop Rock do “3º Prêmio Sharp de Música” (ano Maysa). A cantora ganhou os prêmios de Melhor cantora/pop rock e Disco: “Próxima Parada”.

16 de Setembro. (Jornal A Razão/RS) “O sul merece o melhor: Marina” – Ao contrário do que muitos afirmam, Marina não é uma pessoa tímida. Apenas um pouco introvertida, diz que resolveu abrir a tour nacional em Santa Maria porque o sul lhe dá muita sorte, pois já iniciou duas temporadas em Porto Alegre e agora tem a oportunidade de estar aqui, onde nunca tinha se apresentado. O show leva o nome do próximo disco, “Grávida”, que Marina deve lançar na metade do ano que vem pela EMI Odeon. A direção do show fica com seu irmão e parceiro de composição, Antonio Cícero; e uma equipe de quase 30 pessoas faz a cenografia, figurino, luz, sonorização e todas as etapas que tornam o show uma superprodução que precisou de três dias para ser montada. (por Ângela Felippi)

24 de Setembro. (Jornal Zero Hora/RS) “Marina atravessa o espelho” – As idéias que os artistas passam nas entrevistas, a respeito do tipo de show que farão, nem sempre correspondem ao que apresentam em palco. Marina havia dito que não faria da sua recente turnê,  iniciada aqui no Sul,  um show como se fosse uma retrospectiva da carreira; tampouco de lançamento de disco. Foi coerente. Está trocando uma gravadora por outra, logo, não ficaria bem estar promovendo o produto da “ex”, embora nada a impedisse. Da mesma forma, não está lançando produto novo pela atual, portanto, não havia muitas novidades a apresentar. (…) Ainda que as músicas sejam as mesmas, Marina mudou de maneira surpreendente. Como essa mudança se refletirá, no futuro, é difícil saber. Refletir – o que quer que seja, modismos, tendências, situações – é uma atitude passiva. Marina atravessou o espelho e agora quer iluminar, mais do que absorver. (por Luiz Paulo Santos)

Outubro. Neste mês a cantora Sandra de Sá lança seu novo disco – “Sandra!” -, e inicia turnê que começa no Canecão. Marina e Djavan dividiram os vocais com a cantora na música “Slogan”, na noite de estréia na casa carioca.

4 de Outubro. (Jornal  Estado  de  Minas) “A  voz  de  Marina  Lima  na  noite  do  Olympia” – A cantora e compositora Marina apresenta hoje e amanhã no Olympia, a partir de 22h, mostrando antigos sucessos e novas composições do último LP, “Próxima Parada”. Aos 35 anos, Marina é, sem dúvida, uma mulher que se firmou no Brasil como roqueira de talento – ainda que seu trabalho seja entremeado de muitas baladas românticas – entrando logo de cara na carreira solo. Começou cedo o trabalho musical, aos 17 anos, já sabendo que, naquele momento, algumas circunstâncias especiais deveriam envolver sua busca de espaço num mercado eminentemente masculino. (…) Suavidade e delicadeza, marca registrada da maioria de suas canções, aliadas à sua figura feminina, mas que não esconde o encantamento por pessoas do mesmo sexo, fazem de Marina uma artista controvertida entre o público. Muita gente tem dúvida se gosta dela ou não. O que não deixa dúvida é que, ao longo de sua vida profissional, tem buscado fazer apenas aquilo que gosta, podendo contar com a sorte de ter um parceiro/irmão/amigo – o poeta Antônio Cícero – com quem tem grande identificação. O show de Belo Horizonte, misto de grandes sucessos antigos com o trabalho mais recente, é uma boa oportunidade para quem já aprecia Marina e para os que desejam conferir o que ela tem de especial nessa imagem tão controvertida. (autor desconhecido)

17 de Outubro. Show “Viva Cazuza”, realizado na Praça da Apoteose, produzido por Fernanda Pessoa, Bineco Marino, Paulo Boarim e Marcelo Missagia; idealizado por Raquel Hernandez e dirigido por Ana Arantes, com iluminação de Maneco Quinderé e Cia. da Luz e som da MAC Audio. Marina, durante os ensaios, canta “Ideologia” com Dulce Quental e Bebel Gilberto. Os artistas que se apresentaram: Barão Vermelho, Sandra de Sá, Caetano Veloso, Fagner, Telefone Gol (com Dé), Kid Abelha, Emílio Santiago, Léo Jaime, Leila Pinheiro, Bebel Gilberto, Renato Russo, Marina, Paulo Ricardo e Lulu Santos.

20 de Outubro. Estréia da MTV, a emissora de TV especializada em música. A primeira TV totalmente estéreo. Rio de Janeiro, canal 9 VHF. Das 12h às 2 da manhã. A cantora Marina gravou um vídeo clipe com o remix da música “Garota de Ipanema”, de Antonio Carlos Jobim e Vinícius de Moraes, que foi escolhido para ser veiculado pela MTV da Europa. Aqui no Brasil, na recém-inaugurada MTV, o clipe passou várias vezes durante todo dia.

3 de Dezembro. (Jornal O Globo) “O sucesso sem solidão” – Tinha que ser no Rio. E em Ipanema, onde ela se sente absolutamente à vontade para relaxar. A cantora Marina resolveu reduzir sua platéia para os 260 lugares do Jazzmania. Em compensação, vai desfrutar de uma intimidade maior com seu público: olho no olho é tudo o que ela quer e precisa agora: “O palco às vezes é muito solitário, e eu não gostaria de identificar o sucesso com a solidão. Quero fazer uma coisa bem despojada, em que as pessoas me vejam e eu possa vê-las. Isso só seria possível no Rio: sou mesmo uma menina de Ipanema, não uma estrela! Só me sinto bem fazendo o que gosto. Meu caminho não é reto: tem curvas, paradas, atalhos…” (…) Para cantar mais perto dos cariocas Marina inclui alguns números extras para interpretar ao violão, como “Extravios”, e a antiga “Este Ano”, além de pérolas internacionais como “The Man I Love” de Billie Holliday e o hit de Terence Trent D’Arby, “Sign Your Name”. (por Deborah Dumar)

5 de Dezembro. (Jornal do Brasil) “Marina, a garota do jazz” – Passados quase dez anos de sua estréia, no Teatro Ipanema em 1979, a cantora Marina decidiu ser hora de conhecer melhor seu público.  Para tanto,  faz um show a partir de hoje no pequeno espaço do Jazzmania, também em Ipanema, onde espremera seis músicos sobre um palco pouco mais alto do que um degrau. “Não quero ficar inatingível, quero me aproximar do público”, explica. O Canecão foi a casa carioca dos últimos três shows de Marina. No novo show, cinco canções inéditas vão se juntar a velhas como “Veneno” e “Virgem”, além das estrangeiras “The Man I Love”, de Billie Holliday, e “Sign Your Name”, do Terence Trent D’Arby. Uma das inéditas presentes no repertório é “Grávida”, primeira parceria com o titã Arnaldo Antunes. (por Pedro Tinoco)

12 de Dezembro. (Jornal O Globo) “Marina: charme e sedução no palco” – O show de Marina no Jazzmania é um dos melhores espetáculos da temporada. Despojada ela mostra maturidade e reafirma posição de destaque na MPB. Próxima  ao  público  e  com  voz  mais  cool  do  que  nunca,  encanta  a  platéia  com  interpretações  quase  sussurradas  de  sucessos  como  “Veneno”. (por Mauro Ferreira)

24 de Dezembro. (Revista Bizz) “Estilo Bizz Jeans & Camiseta – Levi’s” – Estrela solitária num meio majoritariamente masculino. Marina tomou emprestado o estilo jeans/camiseta, complemento perfeito para uma artista cool.

27 de Dezembro. “Mulher 90” – O especial, uma homenagem às mulheres que haviam se destacado naquele ano, integrou a programação de fim de ano da TV Globo. O programa mesclou entrevistas e números musicais. Entre as homenageadas estavam a psiquiatra Nise da Silveira, a apresentadora Xuxa e a escritora Ana Miranda. Os números musicais mostraram as cantoras MARINA LIMA, Elba Ramalho, Itamara Koorax, Marisa Monte e Olívia Byington, entre outras. “Mulher 90” teve roteiro de Luiz Carlos Maciel e Geraldo Carneiro, e direção de Daniel Filho e Roberto Talma. Daniel Filho já havia dirigido, em 1979, um programa em homenagem às mulheres chamado “Mulher 80”.