1982

1º de Setembro. (Revista Isto É) “Força estranha” – Marina está lançando agora o quarto LP de sua carreira – “Desta Vida, Desta Arte” (Ariola) -, e indícios de uma artista que tem uma marca de qualidade  começam  a  despontar. Ela vem, na verdade, melhorando a cada disco. No ano passado, deu um susto na crítica ao realizar um os melhores LPs do ano, “Certos Acordes” – um disco ousado como ela. No novo, vai mais além em ousadias. Tanto na voz, quase sussurrada, quanto no repertório, melódico e forte. (…) Não dá para passar em branco diante de uma compositora que, num absoluto descompromisso com as misturas, faz tudo diferente do que já foi feito. Não se encontra, em sua música, qualquer herança de gêneros como o samba e o chorinho. Encontra-se mais uma familiaridade com a canção – uma preocupação  constante  com  a  melodia. Esbarra-se muito com o rock’n’roll e, de repente,  aparece  também  o  jazz, o blues, muito ritmo. Como se fosse possível botar tudo isso no liquidificador, Marina inventou Marina. Ela é uma personagem singular, que jamais será vista desatenta ou desinteressada. Marina é insaciável na busca de novidades capaz de enriquecê-la. (por Regina Echeverria)

20 de outubro. (em Maceió) Apesar de uma carreira ainda curta, a cantora Marina já é hoje um nome nacional, com uma legião de fãs em volta do seu mistério de mulher com voz sensual e um ar de pantera amestrada. Agora, Marina lança seu novo disco “Desta Vida, Desta Arte”, onde se apresenta inteira, compondo, cantando, arranjando, ousando. O mais importante para ela neste disco é o resultado, a canção: “´É como uma árvore com vários galhos. É mais ou menos assim que me vejo agora, dizendo milhões de coisas, mas em tudo, há uma brecha de sol, uma gota doce, essa é a raiz de ‘Desta Vida, Desta Arte’. Aí está o estilo, porém sem  rótulos.  Um  trabalho  sincero  e  esperançoso”,  diz  a  cantora-compositora  Marina.  É um  disco  que  fala  manso,  novo,  simples,  calmo,  bem  ao  estilo  de  Marina.  Sem  pressa,  ela vem  chegando  pra  ficar. (autor desconhecido)

25 de Outubro. (Jornal Correio da Bahia) Uma festa de grande sucesso bem antes de acontecer. É assim que podemos definir o coquetel / lançamento do novo disco de Marina Lima, a ser realizado em Salvador, no Bar Dose Dupla, a partir das 22hs do dia 27. Uma festa organizada por sua gravadora (Ariola), através de seus representantes em Salvador: Adailton, Yeda e o divulgador Antonio 2.000. Além de toda a imprensa baiana, chegam especialmente do Rio como convidados especiais os jornalistas Okky de Souza, da revista Veja; Regina Echeverria, da revista Isto É; Clever Pereira, diretor da Rádio Cidade; Adail Lessa, diretor da Ariola; Mazola, produtor musical; Valéria Colela; Eva; Antonio Cícero e Paulinho Lima. (autor desconhecido)

27 de Outubro. Lançamento do mais novo LP de Marina: “Desta Vida, Desta Arte”.

11 de Novembro. (Jornal da Tarde/SP) “Um trabalho total. Feito com graça e bom gosto.” – “Desta Vida, Desta Arte…” é o quarto disco de Marina. Como nos anteriores, há algumas marcas características da música de Marina Lima/Antonio Cícero: a sensualidade da poesia reforçada pela forma decantar; os pianos Fender e Yamaha dando uma certa leveza própria e constante em quase todos os LPs; e, praticamente, os mesmos músicas no acompanhamento. Porém, em 82, Marina e Cícero mergulharam de cabeça no romantismo e é onde encontram seus melhores momentos. Embora os ingredientes sejam praticamente os mesmos – canções simples, letras românticas – há muita diferença entre a composição de Marina e Antonio Cícero para os descartáveis constantes nos programas musicais da tevê e de algumas emissoras FM. A linha que separa estes trabalhos é muito sutil. Marina e Antonio Cícero estão do lado do bom gosto, da inteligência, da coisa moderna. (por Maria Amélia Rocha Lopes)

08 de Dezembro. (Revista Amiga) “Marina: Só a qualidade me preocupa” – Marina não tem preocupações com as raízes brasileiras da MPB. Tem, basicamente, uma visão universal sobre ela. Como vem mostrando em seus trabalhos e no seu mais novo disco, “Desta Vida, Desta Arte”, em que canta o amor, o mundo e o comportamento de sua geração. (…) É um trabalho da melhor qualidade que Marina está preparando para apresentar num show que pretende fazer por quinze cidades do interior do país. (por Márcia Pereira da Silva)

28 de Dezembro. (Jornal O Globo) “Marina Lima prepara show e parceria com Djavan e Erasmo” – Em meio a uma  carreira ascendente, conquistada palmo a palmo por esforço e talento, a carioca Marina Lima passou subitamente e a contragosto das páginas musicais para as reservadas aos acidentes de trânsito – no início da dezembro vinha voltando de Copacabana para a Lagoa, onde mora, quando um carro entrou na contramão na Visconde de Pirajá e destruiu seu Puma, ferindo seu irmão Antonio Cícero, que dirigia, ela e um amigo. Felizmente, as conseqüências foram mínimas: um susto, arranhões, e uma noite no hospital. Marina está viva, bem, retomando com energia a divulgação de seu recém-lançado elepê, “Desta Vida, Desta Arte”, e empenhando-se em vários projetos… shows de divulgação do novo disco e a tentativa de novas parcerias musicais, que incluem Djavan (“Conversamos muito e ficou meio acertado trabalharmos juntos. Não eu participar num disco dele, mas fazermos algo juntos…”) e Erasmo Carlos (“Ele me disse que tinha adorado o modo como cantei ‘Emoções’ neste último disco, e eu topei na hora compormos juntos. Está faltando só marcar dia, hora e lugar para começar a trabalhar…). (por Ana Maria Bahiana)

Anúncios